sábado, 19 de janeiro de 2013

Uma coleção inteira ou uma única peça de roupa ?

Papel é cobrado por quilo, jornal e revista por centímetro, rádio e TV são cobrados por segundo. Por uma simples questão de orçamento disponível, a mensagem publicitária de moda (ou de qualquer outro mercado) é normalmente curta. Uma página a mais em um catálogo, uma foto maior ou mais informações em um anúncio, ou ainda tempo para uma frase a mais sobre o produto, na TV ou no rádio, podem custar uma fortuna no total de uma campanha.

Mudemos de plataforma e saltemos para a Internet. Ali no ambiente virtual o espaço é praticamente infinito e o custo de veiculação, muito barato. Por uma pequena quantia mensal uma empresa pode colocar gigantescas quantidades de informação no seu site. O espaço na Internet para mostrar toda a coleção de 200 peças de roupa, com várias fotos de cada peça, é muito mais barato do que o espaço para mostrar uma única foto de uma única peça em um anúncio de revista de grande circulação. 


Por outro lado, a revista de moda e outros veículos da grande mídia, tem uma contribuição inestimável: uma audiência qualificada, construída por cada veículo ao longo dos anos. Então um modelo ideal de campanha de marketing é aliar a  audiência da mídia convencional com a amplitude de espaço para conteúdo que um site na Internet oferece: a propaganda atrai, a Internet convence.


A parte difícil desse modelo é a coordenação e sincronismo entre o marketing convencional e digital e as técnicas de construção de conteúdo e interação  no site para atender os diferentes graus de interesse e tempo disponível de quem o acessa. Uma agência ou consultoria de marketing digital podem ajudar.




quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Vender calças é diferente de vender Denim








O processo de vender um par de calças jeans, para uma pessoa que quer roupa nova, é muito diferente do processo de vender mil metros de Denim para uma confecção que vai fabricar calças.

Então, como o site na Internet de uma empresa é parte do seu marketing (parte do processo de vender), o site de uma grife de jeans deveria ser também muito diferente do site de uma tecelagem. Se o leitor for conferir, na prática não é o que sempre acontece.

Embora todo site pareça diferente à primeira vista, porque  um é azul o outro é branco, foto grande em um, pequena no outro, isso é só programação visual, só fachada. Nem sempre os sites são diferentes no que mais interessa: no modo de se relacionar com o Internauta, comprador institucional ou empresário versus consumidor. 

Usamos jeans como exemplo, mas vale conceitualmente para quaisquer produtos e serviços. O importante, na visão da Vendere, é planejar a presença digital da empresa B2B( business to business, empresas que vendem para outras empresas) - seus sites, blogs, vídeos no Youtube, anúncios no Google, etc. - para as diferentes necessidades, aspirações e mecanismos práticos do comprador institucional ou empresário procurando produtos e serviços para sua empresa.

O marketing B2B é especial. Seus sites também precisam ser.


Seu negócio é fazer marketing do seu negócio

Os últimos anos trouxeram duas mudanças difíceis de lidar, para todos os executivos e empresários, em todos os mercados: a revolução da qualidade e a transparência da informação.

A primeira significa que, hoje, todo produto tem qualidade. A qualidade não é mais um diferencial, é uma obrigação para permanecer vivo no mercado. Todo mundo é certificado ISO, oferece garantias além das legalmente obrigatórias, faz recall quando detecta problemas...

A segunda – transparência da informação, principalmente via Internet – significa que os recursos e vantagens competitivas de qualquer produto ou serviço são facilmente conhecidas e rapidamente copiadas pelos concorrentes.

Se você comprar um Toyota Corolla, ou um Honda Civic, ou um Peugeot 408, ou um Chevrolet Cruze, ou um Renault Fluence, você não se arrependerá. São todos ótimos. Um tem o porta-malas um pouquinho maior, um outro acelera um pouco melhor e um terceiro tem mais espaço no banco de trás, mas na ponta do lápis a diferença é quase nenhuma. Todos resolvem muito bem o problema de transportar o cliente e sua família.

No entanto, concretamente, o consumidor faz um cheque de setenta mil reais e dá para Toyota e não para a Honda, ou vice-versa. Você já se perguntou porque ?

O mesmo acontece com seu negócio, caro leitor, não se engane. Se não comprar de você, seu consumidor vai comprar de outrem um produto ou serviço muito parecido, de mesma qualidade e por preço parecido.

Então porque o consumidor ou o comprador institucional de uma empresa deveria dar um cheque para você e não para seu concorrente? Em uma palavra: marketing.

Fazer um produto de alta qualidade e/ou prestar um serviço de primeira linha não é seu negócio, é sua obrigação.

Seu negócio é fazer o marketing dele.